Blog
fev 01

Essence Entrevista | Branding Pessoal e Propósito.

Ao falar em Branding Pessoal, é comum pensarmos apenas na forma como mostramos nossa marca para o mundo. Porém, na verdade, existem várias camadas envolvidas neste processo.

A primeira delas é, sem dúvidas, conhecer o nosso propósito. O porquê fazemos o que fazemos. Só depois deste autoconhecimento é possível cuidar do branding pessoal de forma genuína, afinal conhecer nossa essência possibilita posicionar nossa marca de forma mais estratégica  nos aspectos mais externos.

Para esclarecer melhor a relevância deste autoconhecimento no início da jornada do Branding Pessoal, nós entrevistamos Alana Sales, uma das convidadas da nossa segunda edição do Papo Essência que será realizado dia 06 de Fevereiro.

Vem com a gente neste papo transformador!

O que é Branding Pessoal para você e como ele se conecta à jornada do autoconhecimento?

Para mim, Branding Pessoal presume toda experiência que você quer transmitir. Aquela partezinha sua que vai se conectar com o mundo através do seu negócio, da sua marca. E como hoje o modelo de consumo mudou, as pessoas querem se comunicar com outros seres humanos. Mas isso só pode ser feito quando transmitimos verdade e a nossa alma em todos os elementos da nossa comunicação.

 

Então para mim, Branding é isso. É como a gente transmite a nossa alma, a nossa essência, através de todos os elementos de comunicação do nosso negócio. Ele é um espelho da nossa essência através de uma plataforma inteira de comunicação.

 

É como se fosse a sua alma em movimento, em todos os lugares. Transmitido através de cores, marca, imagens e palavras. Elementos que conseguem comunicar cada detalhe do seu negócio, da sua alma e da sua essência para o seu cliente.

 

E quando falamos de jornada de autoconhecimento, eu digo que é fundamental e essencial. Vamos imaginar: você está na busca de um tesouro, mas encontrá-lo sem o mapa é difícil, não é? Com certeza, vai levar muito mais tempo para você chegar até o tesouro. E pior que isso, é que às vezes você pode encontrar um tesouro que não é seu.

 

Mas por que eu estou fazendo essa analogia? Porque eu acredito que para conseguir comunicar o seu negócio, a sua essência para os outros, você precisa fazer um mergulho dentro de você mesmo. Não adianta querer encontrar o tesouro, dá-lo para seu cliente, se você não tem esse mapa.

 

Para ter um Branding Pessoal que comunica com essência, você precisa ter esse mapa. E esse mapa, para mim, é o autoconhecimento. Porque é esse mergulho para dentro de si mesmo que possibilita a compreensão de quem você é. Afinal, se você não tiver o autoconhecimento, pode ser que demore para transmitir para o seu cliente aquilo que deseja e, às vezes, comunicar aquilo que sua essência não pede. Por isso, o autoconhecimento é fundamental se você quer ter um branding pessoal que comunique sua essência.

 

É comum as pessoas se sentirem perdidas sobre o caminho que escolheram para sua carreira em determinado momento da vida?

Hoje, por exemplo, mais do que a 50 anos atrás. Então acredito que sim, acredito que a maior parte das pessoas hoje já passaram ou irão passar por esse momento de dúvida. Irão se questionar “será que tomei a escolha certa?”.

 

Primeiro, porque a gente toma uma decisão de uma forma muito pressionada, já que não temos uma certeza aos 16 ou 17 anos do que vamos fazer. Na verdade, a gente não tem esse trabalho de autoconhecimento nas escolas. As escolas não nos ensinam a olhar para dentro. Elas nos ensinam a passar de uma série para outra. Então é muito natural que quanto mais você amadureça, mais viva a realidade do mundo e logo se questione mais: “Será que por eu ser boa em exatas eu tenho que fazer engenharia?; Será que por ser boa em química, física e biologia, eu tenho que ser médico?”.

 

Como as decisões são tomadas muito na pressão, tanto pela pressão externa de ter que escolher um curso aos 16 ou 17 anos, tanto pela pressão da família e dos colegas, é muito natural que ao amadurecer a gente se questione.

 

Além disso, como hoje o mundo está mais livre, é mais comum que a gente escolha o que se adeque com a nossa felicidade e com as nossas paixões. Então, vejo que isso está acontecendo muito, só que tem um pequeno problema: as pessoas ainda não sabem o caminho para encontrar essa carreira que tanto desejam. E com isso, é comum vermos jovens e pessoas que já estão no mercado sem saber se querem ou não querem e sem saber para onde ir.

 

Logo, é natural, mas é preciso ter cuidado para escolher a ferramenta e os profissionais que ajudem na determinação da carreira.

 

Qual a importância de nos conectarmos com nós mesmos e nosso propósito para alavancarmos a nossa carreira?

Quando falamos da área profissional, almejamos sucesso, felicidade, equilíbrio de vida, então essa é a questão do tesouro que a gente deseja para nossa vida, para nossa realização pessoal e profissional.

 

E se não tivermos aquele mapa, que eu chamo de autoconhecimento, podemos demorar muito para alcançar essa felicidade ou encontrar a felicidade que não é nossa, genuinamente. Podemos estar sonhando e buscando a felicidade pelos outros, pelo que os outros irão pensar.

 

Quando nos conectamos com nós mesmos, entendemos o nosso propósito, o porquê da nossa existência, qual o sentido da nossa vida, o porquê que a gente tá aqui, e, desta forma, fica tudo mais simples de ter clareza e dizer:

 

“ok, eu já sei quem eu sou, eu já sei meus talentos, já sei minhas paixões, agora eu posso ter clareza de dizer qual a contribuição que eu quero deixar para o mundo. Qual a marca que eu quero deixar para o mundo?.”.

 

Vivemos em uma era de total transformação, em uma era digital onde cada vez mais vem e virá a automação, a robótica e a inteligência artificial. Os robôs podem fazer tudo que seja sistêmico, parametrizado e linear. Eles irão substituir os homens. Então o mundo vai precisar que sejamos mais humanos, que tenhamos nossa alma, nossa essência e nossas paixões para conseguirmos realizar resultados dentro das empresas ou do próprio negócio. Assim, não tem como você alavancar sua carreira, em um mundo extremamente de mudança, onde a era digital está bombando, se você não olhar para você e não encontrar esse mapa interno para achar o seu tesouro.

 

Como saber se chegou a hora de se reposicionar ou mudar de carreira?

Não existe certo ou errado, nem a hora exatamente correta. Cada pessoa sente quando não está satisfeito.

 

Quando começar a sentir incômodo na sua atividade, comece a repensar os seguintes aspectos:

  • Você está fazendo aquilo que ama e sente prazer no que faz?
  • Você sente que está usando seus talentos, fazendo seu trabalho na sua máxima potência e com excelência?
  • Você está sendo reconhecido, inclusive financeiramente?
  • Você está vendo um sentido naquilo que faz?

 

Após estes quatro aspectos, será possível enxergar se você está feliz onde está ou se está na hora de mudar de carreira. Mas lembre-se: não existe certo nem errado.

 

Pela sua experiência, quais as maiores dificuldades e lacunas que os profissionais vivenciam entre o sonhar e o realizar?

Para mim existem quatro aspectos que resumem bem essas dificuldades e lacunas que os profissionais vivenciam entre o sonhar e o realizar, ou seja, alcançar aquilo que desejam.

  • Primeiro: a clareza dos seus sonhos.

A gente tem uma extrema dificuldade em definir de forma específica aquilo que desejamos. Ou seja, temos uma dificuldade em construir a fotografia do quebra cabeça que desejamos montar.

Você já imaginou como é montar um quebra-cabeça se não soubermos qual a fotografia do que desejamos montar? Sem dúvidas, fica muito mais difícil.

Às vezes não temos a clareza de onde queremos ir. E isso, geralmente, torna tudo muito genérico. Quando não temos algo específico, não trazemos detalhes, e desta forma, fica difícil realmente chegarmos naquele objetivo.

  • Segundo: entender o seu cenário pessoal.
  1. Onde você está? Qual a sua situação atual? Onde você se encontra?

  2. Quais são os problemas?

  3. Quais as dificuldades?

  4. O que nos impede hoje de realizar aquele sonho?

Ao pensar neste aspecto é necessário entender o cenário atual, para que aí você possa traçar um caminho no plano de ação.

Para mim, um grande gargalo está neste caminho. Hoje a gente não é treinado para traçar metas, plano de ação, objetivos mais concretos e indicadores para acompanhar nossa evolução.

  • Terceiro: o caminho que você tem que percorrer. Ou seja, traçar suas metas e objetivos.

Então, às vezes, não sabemos traçar um caminho. A gente pode até saber com clareza onde quer chegar, sabendo onde a gente está, quais são as dificuldades, mas falta o caminho, definir um plano de ação, definir suas metas… E isso é uma grande dificuldade, que considero hoje um gap tremendo dos profissionais.

  • Quarto: o porquê você quer aquele sonho.

É o porquê você quer AQUELE cenário, AQUELA FOTOGRAFIA DO SEU QUEBRA-CABEÇA.

Porque como eu falei nas perguntas anteriores, você pode estar vivendo o sonho de outra pessoa. Então, o combustível que vai fazer você se manter em pé, não desistir, e persistir nos seus sonhos é o seu propósito. É o porquê que você quer aquele sonho.

Existem duas formas de nos motivarmos.  Ter um sonho muito grande, isso vai te motivar porque é desafiador. Mas ter uma causa, um propósito e um sentido por trás vai além, é muito mais motivador.

Então se você não tiver esse propósito, e, por isso, o autoconhecimento é muito necessário, você não terá esse combustível para seguir em frente na busca dos seus sonhos. Porque terá dificuldade, terá obstáculo, e só pessoas que têm muito forte um sentido, o porquê, não desistirão.

 

Como começar a tirar os sonhos da gaveta e mostrá-los ao mundo?

Primeiro, eu acredito que é começar a tirar de dentro de você algumas camadas de medo. Porque os grandes ladrões de sonhos são o medo e a dúvida. Não tem como negar aquele sonho seu, se você tem clareza do que quer, sabe o sentido, o porquê e se, principalmente, o porquê bate realmente com o seu eu.

 

Quando existe um conhecimento, ou seja, você tem clareza de que aquele sonho é importante para você, o único fator que impede a pessoa de realizar o seu sonho é o medo. É o medo de errar, é o medo do sucesso, é o medo de se afastar das pessoas que ama, é o medo de não ter equilíbrio na vida, de ficar querendo realizar aquele sonho e acabar comprometendo outras áreas da sua vida, como relacionamento ou qualidade de vida, por exemplo. E para isso, precisa ter um trabalho muito forte de olhar para dentro, e isso pode ser feito através de autoconhecimento, terapia, coaching, workshops, entre outros. Tudo para você ter essa habilidade de olhar para dentro de você.

 

Depois disso, vem os passos que falei, anteriormente, ter clareza do seu sonho e definir de forma muito clara o caminho que você precisa fazer porque você precisa ter um caminho. Então é necessário fazer uma análise interna dos seus medos, do que você precisa desenvolver, mas fazer também uma análise externa dos possíveis riscos.

 

Para mim o caminho é esse. Tirar as camadas do medo, olhar para dentro, entender com clareza quais são seus sonhos, o porquê você quer esse sonho, olhar o caminho que você precisa percorrer para seguir, olhando os fatores internos e externos.

 

Curtiu? Vem conferir também a primeira entrevista com Lica Argôlo. E para saber todas as nossas novidades, nos acompanhe em nossas redes sociais.

 

About The Author

Relações Públicas & Especialista em Gestão de Marcas & Redatora com Alma da Essence Branding & Conhecedora & Estudiosa da Comunicação Digital

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *